Elabore um testamento visando o mercado imobiliário

É um primeiro passo óbvio, mas muitas pessoas nem se dão ao trabalho
de redigir um testamento . Na verdade, apenas 32% das pessoas dizem que
têm um testamento, de acordo com o Estudo de Planejamento e Testamentos
de 2020, publicado pela Caring.com e com base nos resultados de pesquisas
de 2.400 americanos. Dos que não têm testamento, 30,4% afirmam que é
porque não têm bens suficientes para o garantir.
No entanto, sem um testamento, sua propriedade deve ser dividida em tribunal
de sucessões, um processo que pode deixar seus beneficiários pagando uma
conta alta. “A última coisa que você deseja … é morrer sem testamento”, diz
David Zoll, diretor administrativo e sócio da Treasury Partners, uma firma de
consultoria de fortunas da cidade de Nova York.
Depois de redigido um testamento, ele deve ser revisado regularmente. “As leis
mudam”, diz Zoll. “As relações familiares podem mudar.”
Nem todos os ativos são desembolsados por meio de testamento. Algumas
contas, como fundos de aposentadoria e apólices de seguro de vida, permitem
que os proprietários nomeiem os beneficiários desse ativo específico. Sem um
beneficiário nomeado, uma conta precisará ir para o tribunal de sucessões,
onde um juiz decidirá quem receberá o dinheiro.
“Seus beneficiários nomeados substituirão tudo o que você tiver em seu
testamento”, disse Bush. Por esse motivo, é uma boa ideia revisar as
informações do beneficiário após cada mudança importante na vida , incluindo
nascimento de filhos, casamento ou divórcio. http://www.lealimoveispp.com.br/imovel/?tipo=terreno&finalidade=venda&cidade=Presidente-Prudente

Comentários estão desabilitados.